Sindivapa - Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas no Vale do Paraíba e Litoral Norte

Sindicato das Empresas de Transporte
de Cargas no Vale do Paraíba e Litoral Norte

2018: ano de investir no transporte

Fonte: CNT

23.02.2018
O ano de 2018 é decisivo para o Brasil. Ano para dar prosseguimento à recuperação econômica, ano de eleições, ano de implementação de reformas estruturantes e da necessidade de tomada de decisões adequadas para que o país siga o rumo certo. Na opinião do presidente da CNT e dos Conselhos Nacionais do SEST e do SENAT, Clésio Andrade, investir fortemente em infraestrutura de transporte é o caminho para que o país volte, de fato, a crescer. O setor transportador foi bastante afetado pela recessão, e a priorização dos projetos essenciais estimulará a geração de empregos, permitindo também a redução de custos nos deslocamentos de pessoas e mercadorias e elevando a competitividade do país, de acordo com Clésio Andrade. 
 
Segundo ele, 2018 também é o ano para dar prosseguimento às reformas, tão essenciais para o país. Na entrevista a seguir, ele fala sobre as expectativas do setor e sobre os principais projetos a serem desenvolvidos pelo SEST SENAT e pela CNT. A Confederação vai elaborar um documento a ser enviado aos candidatos à Presidência. “Vamos participar do debate apontando aos candidatos as necessidades de desenvolvimento do setor transportador”, diz Clésio Andrade. Diversas pesquisas, estudos e boletins estão programados para orientar o setor e subsidiar políticas públicas. Em 2018, o SEST SENAT também completa 25 anos de atuação, e várias novidades estão previstas, como a ampliação dos atendimentos. Serão pelo menos 50 inaugurações neste ano. Até 2019, o número vai ultrapassar 200 unidades em todo o país. O Prêmio CNT de Jornalismo, que estimula a produção nacional de reportagens e fotografias sobre o transporte de cargas e de passageiros, também completa 25 anos em 2018. Leia a seguir os principais trechos da entrevista. 
 
Os indicadores mostram que o Brasil superou a forte recessão econômica sentida nos últimos quatro anos. O país voltou a crescer embora ainda de forma tímida. Quais são suas expectativas para 2018? 
 
O Brasil precisa voltar a crescer de forma vigorosa. Para isso, deve realizar fortes investimentos em infraestrutura para superar o atraso e avançar, abrindo os caminhos do desenvolvimento sustentável, com geração de empregos e renda para a população. O país registra uma defasagem de 40 anos em sua infraestrutura de transporte e logística, condição que restringe a produção de riquezas, tira competitividade das empresas, dificulta a distribuição de renda e atrasa o combate às desigualdades sociais, impedindo o pleno desenvolvimento das empresas e do país. Para investir mais, o Brasil precisa estimular os investidores estrangeiros, oferecendo segurança jurídica e condições atraentes de negócios. Por isso, a continuidade das reformas do Estado é tão importante. Essas são as condições mínimas para que o tímido crescimento econômico alcançado em 2017 se converta em um novo e duradouro ciclo de desenvolvimento sustentável. 
 
A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador, divulgada pela CNT em novembro do ano passado, mostra que as empresas de transporte adotaram um otimismo cauteloso para este ano. Estão pouco confiantes na gestão e na capacidade de investimento do governo? 
 
A recessão atingiu duramente o setor transportador. É natural que os transportadores estejam cautelosos em relação à economia. Em 2017, o setor começou a reagir. Os modais aquaviário e aeroviário apresentaram crescimento significativo. Mas os reflexos da recessão ainda são sentidos especialmente no transporte rodoviário, responsável pela maior parte do movimento de cargas e de passageiros em nosso país. A Sondagem mostrou que, no ano passado, 76,3% das empresas tiveram aumento no custo operacional, e 32,8% registraram queda de receita. Tudo isso tem a ver com a crise econômica e com a redução dos investimentos pú- blicos em infraestrutura. Até mesmo o modal predominante, o rodoviário, vem sofrendo decréscimo nos investimentos. Veja que, em 2011, ano de maior aporte de recursos públicos federais em infraestrutura de transporte rodoviário, foram investidos R$ 15,7 bilhões em valores reais. Em 2017, o setor recebeu apenas R$ 7,9 bilhões, e as projeções para 2018 são ainda mais preocupantes. Com os cortes no orçamento do Dnit, o modal rodoviário pode receber menos de R$ 5 bilhões. A consequência é a queda na qualidade das rodovias, como mostrou a Pesquisa CNT de Rodovias 2017. Os efeitos no desempenho das empresas de transporte são dramáticos. Para se ter uma ideia, a má qualidade das rodovias eleva em 27% o custo operacional do transporte. Só o gasto desnecessário de óleo diesel gera um prejuízo de R$ 2,54 bilhões por ano. Essa é uma situação que está se agravando rapidamente devido à política de preços absurda adotada pela Petrobras, que está causando sérios prejuízos aos transportadores, desde julho do ano passado, quando os reajustes nos preços de combustíveis começaram a ser feitos aleatoriamente. Antes, os reajustes eram mensais. As empresas conseguiam se planejar. Agora, os preços estão variando, em média, a cada dois dias. Isso cria uma situação descontrolada na gestão dos custos das empresas de transporte. Estamos estudando medidas a serem tomadas para reverter essa política da Petrobras, que está afetando o planejamento e o relacionamento do setor com o mercado. Esse pode ser considerado um caso de agressão à ordem econômica do país já que toda a economia brasileira é afetada pelos custos do transporte rodoviário. São dados como esses que fazem os transportadores serem cautelosos em relação a 2018. 
 
Qual é a saída? 
 
Uma das saídas para o Brasil é aumentar os investimentos da iniciativa privada nacional e estrangeira em projetos de infraestrutura. Com demandas cada vez maiores em áreas de infraestrutura, como saúde, educação e desenvolvimento social, os recursos públicos nunca serão suficientes. Por isso, insistimos nas reformas da Previdência e Tributária, na desburocratização e na criação de um ambiente favorável ao investimento privado. A Reforma Trabalhista, o teto de gastos, a terceirização e a Reforma do Ensino Médio foram sinais importantes para o mercado. Aos poucos, os investidores estão voltando, mas esse é um movimento que não pode parar. O Brasil precisa completar o ciclo de modernização do Estado para conseguir crescer no ritmo das demandas da sociedade. 
 
Em 2018, o Brasil vai eleger o (a) novo (a) presidente da República, uma nova Câmara dos Deputados e parte do Senado. Essa já é considerada a eleição majoritária mais complexa das últimas décadas devido aos desafios econômicos e institucionais que o país terá que enfrentar nos próximos anos. Como o setor transportador vai se posicionar nesse cenário político? 
 
Vamos participar do debate apontando aos candidatos as necessidades de desenvolvimento do setor transportador. A sexta edição do Plano CNT de Transporte e Logística, que publicaremos em breve, será uma contribuição importante para os candidatos que quiserem se comprometer com políticas públicas de expansão e modernização da infraestrutura nacional. Além disso, esperamos que o país eleja um parlamento sério, comprometido e escolha o candidato a presidente que apresentar o projeto mais sólido e viável de desenvolvimento sustentável para o Brasil. Os eleitores não devem ceder à tentação de embarcar em aventuras e promessas milagrosas.
 
Que outros estudos e pesquisas a CNT está planejando para 2018? 
 
A CNT vai continuar oferecendo à sociedade uma gama de pesquisas, estudos, sondagens e boletins para orientar o setor transportador e subsidiar políticas públicas, como a Pesquisa CNT de Rodovias, que está chegando à sua 22ª edição. Este ano, como dito há pouco, publicaremos uma nova edição do Plano CNT de Transporte e Logística. Trata-se de um estudo de fôlego que aponta soluções para melhorar o desempenho e a integração dos sistemas de transporte do Brasil. O Plano indicará as obras de infraestrutura e os investimentos necessários para tirar o país do atraso. Também vamos lançar a primeira Pesquisa CNT do Perfil dos Transportadores Aquaviários e o novo Atlas do Transporte. 
 
Além da infraestrutura, o que mais terá impacto no desenvolvimento do setor de transporte em 2018? 
 
A inovação e o desenvolvimento tecnológico estão mudando rapidamente a atividade transportadora. Essa é uma área na qual a CNT está investindo muito. O ITL (Instituto de Transporte e Logística) está reforçando o apoio às empresas em educação, pesquisa e inteligência. Atuando em parceria com o SEST SENAT, o ITL já formou mais de mil gestores de 503 empresas transportadoras no curso de Especialização em Gestão de Negócios, ministrado pela Fundação Dom Cabral. No ano passado, foi concluída a primeira turma do curso de Certificação Internacional Aviation Management para formação de gestores aéreos em parceria com a Embry-Riddle Aeronautical University - ERAU. E, agora, tem início a primeira turma do Curso de Certificação Internacional Ferroviária em Gestão de Sistemas Ferroviários e Metroviários no Brasil, ministrado pela Deutsche Bahn. Estamos dando um salto de qualidade. Criamos o Fórum de Inovação do Transporte com o objetivo de sintonizar o setor com o que há de mais moderno no século 21. Fizemos uma parceria com a Universidade de Stanford, dos Estados Unidos, e estamos em conversação com a Singulary University. Além disso, estamos em contato com outros centros de conhecimento e inovação na Ásia e na Europa por meio dos nossos escritórios instalados na China e na Alemanha. O objetivo da CNT é trazer para o Brasil as melhores tecnologias e as ideias inovadoras que vão nos ajudar a modernizar tanto a gestão quanto a operação das empresas e dos transportadores autônomos brasileiros. 
 
Em relação à capacitação e qualificação da atividade transportadora no Brasil, lembramos que o SEST SENAT completa 25 anos em 2018. Qual o balanço que o senhor faz dos resultados apresentados até agora? 
 
Os resultados são muito positivos. Hoje, o SEST SENAT é reconhecido pela excelência na prestação de serviços 100% gratuitos nas áreas de desenvolvimento profissional, assistência social, lazer e cultura para os trabalhadores do transporte e seus familiares. Nesses 25 anos, realizou mais de 110 milhões de atendimentos em especialidades como fisioterapia, psicologia, nutrição e odontologia e também por meio da oferta de 433 cursos presenciais e 202 cursos a distância. Quero salientar que estamos ampliando a presença do SEST SENAT em todo o Brasil. 
 
Como está o plano de expansão do SEST SENAT para 2018? 
 
Este ano vamos inaugurar mais 50 novas unidades operacionais em todas as regiões do país. Até o final de 2019, o SEST SENAT terá 206 unidades em funcionamento. Todas amplas, modernas e equipadas com tecnologia de ponta. Com as novas unidades, os trabalhadores terão à sua disposição 130 simuladores híbridos de direção e 125 simuladores de empilhadeira para capacitação e aperfeiçoamento em condução de todos os tipos de veículos. As oportunidades de desenvolvimento profissional serão ampliadas em mais de 30%. A oferta chegará a mais de 500 cursos presenciais e cerca de 300 cursos a distância. Também projetamos um forte crescimento na área de saúde, chegando a 1,7 milhão de atendimentos por ano.
 
O senhor idealizou e participou ativamente destes 25 anos de história do SEST SENAT. Os resultados de hoje estão de acordo com suas expectativas? 
 
Em 1993, colocamos em prática um plano ousado de criar uma rede nacional de desenvolvimento profissional, com assistência social para os trabalhadores do transporte. Os resultados que alcançamos nestes 25 anos superam, e muito, o projeto inicial. O SEST SENAT é uma conquista dos trabalhadores e dos transportadores brasileiros, pois vem contribuindo decisivamente para profissionalizar e modernizar o setor de transporte. Hoje, o SEST SENAT é uma referência para os trabalhadores, não apenas em termos profissionais. É também um suporte em saúde, qualidade de vida e integração social para toda a sua família e para a sociedade. 
 
Outro motivo de comemoração em 2018 é o Prêmio CNT de Jornalismo, que também completa 25 anos. O prêmio se consolidou? 
 
Mais do que se consolidou. O Prêmio CNT de Jornalismo é reconhecido pela própria imprensa como a mais importante premiação do setor existente hoje no Brasil. O Prêmio já reconheceu a excelência de centenas de reportagens sobre as mais diversas dimensões do transporte no país. A sua importância se deve à transparência, à seriedade e ao respeito com que os profissionais de imprensa vêm sendo tratados nestes 25 anos. Temos muito a comemorar. A cada ano que passa, a imprensa compreende melhor a importância do setor de transporte para o desenvolvimento do Brasil e, a cada edição do Prê- mio CNT, temos a satisfação de reconhecer o talento e brilhantismo dos jornalistas em levar conhecimento e informações cada vez mais precisas à sociedade. 
 
Então, apesar de todas as dificuldades, o senhor está otimista? 
 
Sim. O pior já passou. Aos poucos, a economia brasileira está voltando para os eixos e o setor de transporte começa a dar sinais de recuperação. Agora, é preciso seguir em frente. A sociedade está consciente da importância das reformas de modernização do Estado. A Reforma da Previdência já é compreendida como fundamental para garantir o equilíbrio das contas públicas, corrigir distorções e combater injustiças. Também está consolidada a ideia de que é preciso reformular o sistema tributário e simplificar o relacionamento do Estado com o setor produtivo. Se de um lado o ano eleitoral dificultará os investimentos públicos, de outro, o debate entre os candidatos à Presidência será útil para definir o modelo de desenvolvimento que o Brasil adotará para os próximos anos. Esperamos que os sacrifícios impostos pela longa recessão sirvam de alerta para que erros históricos, como a falta de planejamento e de investimentos em infraestrutura, não se repitam. Não há outro caminho. O crescimento do Brasil depende de infraestrutura de transporte e logística para garantir a criação de polos regionais de desenvolvimento, estimular a produtividade das empresas, gerar crescimento econômico, produzir riquezas e ampliar as oportunidades de emprego e renda para a população. Vejo o ano de 2018 como mais uma oportunidade para o Brasil dar uma virada e retomar a rota do desenvolvimento econômico sustentável, recuperando sua posição entre as nações mais promissoras do mundo.

Saiba Mais!

Patrocinadores



Patrocínio:

Apoio: