Sindivapa - Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas no Vale do Paraíba e Litoral Norte

Sindicato das Empresas de Transporte
de Cargas no Vale do Paraíba e Litoral Norte

Sindivapa e Comjovem Vale do Paraíba participa da 4ª Conferência SETCESP que teve como tema a Tabela de Frete Mínimo e a Defasagem de Tarifas

Fonte: Setcesp/Sindivapa

10.08.2018

Aconteceu nesta quinta-feira (9), a 4ª Conferência SETCESP que teve como tema a Tabela de Frete Mínimo e a Defasagem de Tarifas. O evento contou com a presença do Presidente do Sindivapa Carlos Eduardo Bueno, a diretora financeira Vanessa Ferreira,  a Coordenadora da Comjovem Vale do Paraíba Mariana Varajão, a vice-coordenadora Fernanda Corrá e membros da Comjovem:  Caio Sexto (Brucai), Paulo Manzela (Plam Transportes), Daniel Teixeira (TRTV) e Wellington Sergio (Transpaula), além de 250 pessoas presentes, a sede do SETCESP recebeu o público em dois auditórios, um com os palestrantes e outro realizando a transmissão simultânea dos conteúdos.

 

Um dos temas, que tem causado grande impacto no setor, é nova Lei nº 13.703 que saiu no Diário Oficial nesse mesmo dia e qual instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas. Para discutir as aplicações e distorções da Lei, o assessor técnico da NTC&Logística, Lauro Valdívia, levou exemplos práticos para o público.

 

Valdívia destacou o fato da Política se aplicar somente ao Frete Peso, “Ela não considera tributos, lucro, generalidades, serviços adicionais e despesas administrativas, o que equivale em torno de 30% e deve ser adicionado ao mínimo”, recomendou.

 

Ainda sobre as generalidades do frete, o engenheiro destacou a não cobrança da EMEX (Taxa de Emergência Excepcional) por 53% dos transportadores que participaram da última pesquisa semestral da NTC&Logística, realizada em parceria com a ANTT. A taxa é aplicada a todas as coletas e/ou entregas realizadas em localidades que encontram-se em situação de beligerância enquanto perdurar o extremo risco e, atualmente, é válida para a região metropolitana do Rio de Janeiro – CIF/FOB.

 

Para complementar o tema, o presidente do SETCESP, Tayguara Helou, explicou mais sobre a composição correta das tarifas de frete.

 

“A remuneração inadequada leva as empresas a buscarem a redução de forma errada, aumentando o risco de acidentes. Caminhão sem manutenção é prejudicial para o trânsito, para o meio ambiente e, pior de tudo, é um perigo para a sociedade”, explicou o presidente chamando a atenção para a defasagem média do setor de 17,22% no último semestre.

 

Para explicar os aspectos jurídicos da nova Lei, o assessor executivo e jurídico do SETCESP, Adauto Bentivegna Filho, alertou sobre as possíveis multas e penalizações para o não cumprimento dos valores, além de responder todas as perguntas do público presente.

 

A terceirização e o frete retorno foram as dúvidas mais presentes na plateia. “O frete retorno é custo da empresa e deve ser cobrado, embora não seja contemplado na Lei, nem na Resolução”, aconselha o advogado e destaca a importância do diálogo entre embarcador e transportador para que revejam os preços do frete a partir da nova Lei.

 

As apresentações utilizadas no evento podem ser acessadas no perfil do SETCESP no SildeShade.

 

Confira aqui, as fotos da cobertura da 4ª conferência SETCESP.

Saiba Mais!

Patrocinadores



Patrocínio:

Apoio: